Pesquisar este blog

Um ano da morte de Mércia Nakashima - mais um caso patente da impunidade que impera

Aqui no Blog mesmo afirmamos, após a revogação das prisões dos acusados, que tal caso "cheirava" a mais um exemplo típico de "impunidadis brasilis".

Mais de um ano depois do bárbaro crime, a tragédia anunciada vai se consolidando...

O mais interessante é que, apesar da vítima e seus familiares terem perdido o seu direito à vida e à paz interior, os Juízes, os advogados e, principalmente, os acusados não perdem uma noite de sono sequer. É revoltante!


Advogada desapareceu em 23 de maio; acusados estão foragidos. Irmão ficou emocionado e criticou legislação brasileira. G1 SP
A família da advogada Mércia Nakashima participou na noite desta segunda-feira (23) de um ato realizado na Câmara Municipal de São Paulo para marcar um ano da morte da advogada, vista com vida pela última vez em 23 de maio de 2010, em Guaruhos, e encontrada morta em 10 de junho em uma represa de Nazaré Paulista. "Estava olhando no relógio. Há um ano atrás, nesse exato momento, minha filha estava sendo morta", disse a mãe de Mércia, Janete Nakashima. "A gente já chegou aos assassinos de minhas irmãs e eles ainda estão soltos", disse Márcio Nakashima, irmão de Mércia. Ele criticou a legislação brasileira, que permite que recursos sejam impetrados em vários graus. Márcio ficou emocionado e chorou no momento em que atores encenaram uma peça teatral sobre a violência contra a mulher. Também visivelmente emocionada, Janete Nakashima, evitou olhar para as atrizes.
"A justiça depende da ação articulada de todos os poderes", disse o promotor que cuida do caso, Rodrigo Antunes, que reclamou da dificuldade em obter dados fiscais e telefônicos de foragidos da Justiça e da escassez de policiais no departamento de capturas. "É impossivel 40 pessoas darem conta de 152 mil mandados de prisão."
Mércia desapareceu após sair da casa dos avós, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Preocupados, os pais e os irmãos da mulher começaram, com o auxílio de vizinhos e amigos, uma campanha em busca de informações sobre seu paradeiro. A polícia entrou no caso e em seguida o desaparecimento ganhou o noticiário.
Entre trotes e informações desencontradas dadas aos parentes de Mércia e para a polícia, a denúncia de um pescador levou a família e a polícia até uma represa em Nazaré Paulista, a 64 km de São Paulo. Na tarde de 10 de junho, depois de horas de buscas, bombeiros com equipamento de mergulho descobriram o carro de Mércia, um Honda Fit prata, submerso.
O veículo foi retirado com ajuda de um trator. Sob o olhar preocupado de Macoto, pai da advogada e que acompanhou sem descansar os trabalhos do Corpo de Bombeiros, o carro foi aberto, mas nada além de alguns objetos foram encontrados em seu interior.
No dia seguinte, um pescador contratado pela família achou entre arbustos na outra margem da represa o corpo, em avançado estado de decomposição. Macoto reconheceu a filha pelas roupas.
Desde então, os Nakashimas tentam retomar a rotina, apesar da dor. “Esse último ano foi muito difícil para nós. Principalmente para minha mãe. Ela passou pela primeiro Dia das Mães sem minha irmã", contou Márcio. (...)
Mizael Bispo de Souza, ex-namorado da vítima e acusado de matá-la, continua foragido. “Aconteceu justamente o que a gente acreditava que ia acontecer: ele fugiu quando saiu sua prisão.” Mizael teve prisão decretada pela Justiça. Ele nega o crime.
Em e-mail enviado ao seu advogado, Samir Haddad Jr, e encaminhado ao G1 em janeiro, o acusado disse acreditar na Justiça. "Se essa não for feita, a justiça de Deus não falha.” Além dele, o vigia Evandro Bezerra Silva também é acusado de participar do assassinato. Ele, assim como Mizael, é procurado pela polícia.

Fonte: Blog do Marcelo Cunha

1 comentários:

Renilson Frutuoso disse...

Boa noite, sou leitor e seguidor do seu blog e gostaria de consolidar troca de link, o seu ja encontra-se no meu, se enteressado o link e http://nosonliner.blogspot.com/

Um abraço do amigo Renilson.

Postar um comentário